Spiga

Separados no Nascimento


O defenestrado Alexandre Gallo e o intocável Giuseppe Petri (Andy Garcia).

Blogs da Bola: Maldita FC

Quem honrou com sua visita ao Folclore da Bola foi o blogueiro Leandro Carvalho, do Maldita FC. O Maldita é um blog que se intitula "Futebol, mulher e rock'n roll. Meu DEUS, como isso é bom...". Precisa dizer mais? Leandro pondera bem sobre o caso Ronaldinho em Pequim:

"...O CARA TEM GRANA, FAMA E ACHA QUE PODE TUDO..ATÉ NUMA CONCENTRAÇÃO DA SELEÇÃO BRASILEIRA VISANDO OURO INÉDITO EM PEQUIM, FAZER ZONA... DEPOIS ROMÁRIO É QUE É BADERNEIRO, FENÔMENO QUE É MULHERENGO E TAL, POR ISSO O OURO ESTÁ COM A ARGENTINA E O BRASIL ALÉM DE FICAR EM TERCEIRO DANÇOU ATÉ NA CANTADA MAL DADA! ..."


Aproveito a deixa pra publicar um post de seu blog sobre um assunto que passou batido aqui, o falecimento do folclórico Moisés.

Valeu, Maldita!

Futebol - Folclore no Ceú



E lá se vai mais um pra seleção de Papai do Ceú. Vai se juntar a Garrincha, Almir Pernambuquinho, Jorge Mendonça, Orlando Lelé e tantos outros craques que fizeram sucesso não só em campo, mas fora dele. Seja pela vida distinta ou pelas polêmicas declarações. Ontem, foi pro andar de cima, Moisés, ex-zagueiro de Flamengo, Botafogo, Vasco, Corintians, Fluminense, Portuguesa e Bangu. Aos 59 anos, o xerife, como era chamado, sofria de câncer no pulmão. Tabagista e boêmio convicto, ele desafiava técnicos e atletas desfilando seus cigarros após os treinos. E não negava que bebia a sua cervejinha após os jogos. Amante do carnaval, fundou o tradicional "Bloco das Piranhas", no RJ. Técnico de sucesso em muitos clubes cariocas, ele chegou a levar o Bangu ao vice campeonato brasileiro de 1985. Enquanto jogava, ele dizia:"Zagueiro que se preza, não ganha o prêmio Belfort Duarte". E ele fez fama como zagueiro que se impunha não só pela classe e técnica, mas principalmente pelo vigor fisíco e chutões. Chegou a seleção brasileira, pelas maõs de Zagallo, em 1973. Foi campeão brasileiro em 1974 pelo Vasco e titular na campanha histórica do Corinthians, campeão em 1977, depois de longa fila de espera. Muitos atacantes temiam o enfrentar, como disse Dé, o aranha: " Se ele jogava pelo lado direito de sua defesa, eu ficava do outro lado. Se ele vinha pra cima de mim, eu já pulava e simulava falta. O juiz sempre ia na onda e dava cartão para ele." Que Deus o tenha. ele que se dizia o "Richard Gere tupiniquim" irá agora treinar o time lá de cima. Aqui fica a nossa singela homenagem a um personagem de um futebol, de um tempo, que não volta mais. Quando se tinha paixão pelo clube em que se jogava, quando jogador não era mercadoria na mão de empresário e suava para ganhar o bicho da vitória do seu clube, não para se vender para o exterior. Um futebol nostálgico e romântico, que infelizmente não se vê mais. Um futebol de raça e valentia por amor a camisa e não ao dinheiro.

Ah, em tempo: Ganhava o Prêmio Belfort Duarte, o atleta que não tivesse sido expulso no decorrer de sua carreira. Esse o Moisés não levou...

Bem-intencionado


E a mídia pega no pé do nosso Ronaldinho Gaúcho. Deixem o rapaz casar! Os maledicentes acham que ele só queria era... Bom, deixa pra lá.
Pra quem não leu o noticiário, explicada está a desclassificação nas Olimpíadas: Ronaldinho, nas quartas de finais, desconcentrou-se. Bateu uma fissura pela jogadora sueca Johanna Almgren.

Abaixo, trecho da matéria do Globo Esporte, com os comentários entre colchetes do Folclore da Bola.

[Ronaldinho fala pra Anderson: Olha o que eu vou fazer.]
De acordo com Johanna, ela pediu um autógrafo a Ronaldinho, que respondeu com um beijo em sua mão
[Ronaldinho Rindinho]. Depois, o craque teria ligado para a jogadora e a convidado para ir no seu quarto. [No viva voz, se mijando de rir com o colega de quarto e após algumas long necks (Liber, claro). O colega de quarto pede pra ele conseguir uma noiva sueca pra ele também] Primeiro, Joahanna pensou que era brincadeira. Mas quando percebeu que o convite era sério, pegou a câmera e levou outras jogadoras para conhecer o brasileiro. - Alguém com o inglês ruim me ligou dizendo que o Ronaldinho estava me chamando para ir no seu quarto [Anderson: Helloo, the Ronaldinho wants that you go to room "dele"] [Ronaldinho pensa: o cara tem altos inglês]. Infelizmente, o Ronaldinho não falava inglês muito bem. Eu também não falo bem espanhol e português. A conversa foi mais por sinais – diz a atleta à imprensa sueca. Em seguida, a jogadora revelou o pedido de casamento: - O intérprete disse que o Ronaldinho perguntou se eu queria casar com ele. Fiquei chocada e respondi imediatamente: não!


Brasil 0 x 3 Argentina

Mil frases do futebol 211 a 220 - Genéricas

As frases abaixo não são pérolas, nem pensamentos dos ilustres boleiros. São aquelas em que você insiste em ouvir no radinho antes, durante e após os jogos, nas coberturas completamente idênticas da imprensa. Elas não são atribuídas a ninguém em específico, pois são genéricas à classe.

211. Com certeza, eu acho que... (Início de qualquer conversa de jogador. Embora pareça um paradoxo - acha ou tem certeza? - a frase está gramaticalmente correta: achar siginifica também opinar).
212. É, realmente, eu acho que... (Outro tipo de início. Aqui, o jogador tenta contextualizar que está em um plano de realidade. Na Matrix, ele certamente responderia: é, virtualmente, eu acho que...)
213. Vamos conversar no vestiário, conversar com o professor, corrigir os erros, voltar pro segundo tempo pra reverter o placar. (Papo furado daquele que sai perdendo no primeiro tempo)
214. Agora é pensar no [nome do próximo adversário]. (O plano da frase 213 fracassou e o time perdeu)
215. Aqui nesse grupo nós temos homens, sabemos da nossa responsabilidade e vamos dar a volta por cima. (Frases 214 ditas durante várias rodadas levaram o time à zona do rebaixamento)
216. A gente ainda não ganhou nada, sabemos que temos muito pela frente. (Antônimo da 215)
217. Tem que trocar o time todo, a diretoria, o presidente... (Frase 215, do ponto de vista do torcedor)
218. Respeitamos muito o adversário, mas sabemos do nosso potencial e que temos totais condições de vencer esse jogo. (A sutileza do termo totais indica que o jogo é contra um time fraco e a vitória é uma obrigação)
219. Eu não gosto de comentar arbitragem, mas hoje fomos totalmente prejudicados... (ué, gosta ou não gosta?)
220. Esperamos fazer uma boa partida e sair daqui com um bom resultado. (eufemismo para não importa se for uma pelada, vamos retrancar e tentar um empate).

Veja aqui outras frases do futebol

Juntos no Nascimento: Cássio e Rafael

Não é Photoshop

Os cabelos são ligeiramente cacheados, em tom castanho claro. Os olhos, a boca, tudo é igualzinho. Não bastassem as semelhanças nas características físicas, Rafael e Cássio, irmãos gêmeos que jogam pelo Avaí, ainda escolheram a mesma posição para atuar: na zaga.

Rafael (mais velho por 15 minutos) e Cássio nasceram em Porto Alegre, no dia 08 de julho de 1986. E não se separam desde então. Juntos, eles começaram a jogar futebol nas categorias de base do Grêmio, aos 7 anos.

"..eu nunca sei qual é qual. Chamo sempre de gêmeos, assim nunca vou errar" (Brinca o Técnico Silas, do Avaí)

Mas nos tempos de Juventude, um precisou ser o outro. Com uma lesão, Cássio ficou fora de algumas partidas da equipe. Ivo Worthmann, então técnico da equipe gaúcha, não pensou duas vezes: fez Rafael virar zagueiro no lugar do irmão.

- Ele precisava de alguém igualzinho ao Cássio. E esse alguém só poderia ser eu - diz, aos risos, Rafael, defensor há quatro anos.

A partir de então, ficou quase impossível diferenciar um do outro. Se um não joga, como aconteceu nas últimas rodadas da Série B do Brasileiro, quando Rafael esteve lesionado, o irmão esteve em campo.


- Eles falam que existe diferença, mas eu ainda não consegui perceber. Em campo, os dois também são muito parecidos. Se um está bem, o outro logo dá um jeito de se sobressair para não ficar por baixo - comenta Silas, que também tem um irmão gêmeo, Paulo Pereira, mas bivitelino.

- Nunca tivemos problemas porque somos diferentes. Também nunca jogamos na mesma equipe. Os jogos eram sempre contra, ele como zagueiro e eu como meia - relembra o treinador.

Com os colegas de time, a brincadeira rola solta. E os irmãos gostam de pregar peça em Gastão Dubois, assessor de imprensa do clube. Quando ele pede para um dar entrevista, o outro se levanta e corre para atender os repórteres.

- Nas vezes em que jogamos juntos, os atacantes também brincaram com isso, falando 'poxa, você está em todos os lados' - recorda Cássio.

Até mesmo o site do clube caiu na pegadinha dos gêmeos. Na parte que mostra o elenco do Avaí, Cássio aparece com o nome de Rafael entre parênteses. Segundo a assessoria de imprensa do clube, o responsável pela atualização do site deve ter se confundido na hora de colocar o nome dos irmãos.

Confusão na Copinha

A carreira dos gêmeos tem uma passagem engraçada, quando ambos ainda jogavam nas categorias de base do Juventude, na Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2006.

Rafael era o titular da equipe de Caxias do Sul e Cássio o reserva. Expulso por ter cometido uma jogada violenta, o zagueiro titular deu lugar ao irmão, deixando a equipe adversária indignada.

- Quando eu entrei, todos começaram a reclamar, dizendo que já havia sido expulso e não poderia estar em campo. Tentei explicar dizendo que o meu irmão é quem tinha saído, mas as coisas só se resolveram quando buscaram o Rafael no vestiário para mostrar que eram duas pessoas diferentes - explica Cássio.

Rafael foi o primeiro a trocar o clube gaúcho pelo Avaí, em março do ano passado. Meses depois de se transferir para o clube de Florianópolis, a diretoria do Leão da Ilha pediu para que o defensor indicasse um outro zagueiro para a equipe.

- Não pensei duas vezes e falei que conhecia um cara igualzinho a mim. Daí, eles contrataram o Cássio - diz Rafael, aos risos.

Globo Esporte

Gol de goleiro

Não é o Rogério Ceni batendo falta, nem o Chilavert batendo pênalti. É o Eduardo Martini dando chutão pra frente. Eu nunca tinha visto isso ao vivo. O vento sul, certamente, deu a sua força. O engraçado foi depois do gol. A cada reposição de bola (inclusive tiro de meta) a torcida, abusada, gritava gol-gol-gol-gol...



Avaí 3 x 1 Paraná, Série B, 22/8/2008

O Juiz Ladrão

"...Mas em 1918, 17 ou 16, os gatunos constituíam uma briosa fauna, uma luxuriante flora. Evidentemente, havia as exceções. Mas os salafrários podiam apitar as partidas e com que glorioso, com que genial descaro! Certa vez, foi até interessante: — existia um juiz que era um canalha em estado de pureza, de graça, de autenticidade. Um domingo, ele vai apitar um jogo decisivo. Que fazem os adversários? Tentam suborná-lo. Ora, o canalha é sempre um cordial, um ameno, um amorável. E o homem optou pela solução mais equânime: —levou bola dos dois lados. Justiça se lhe faça: — roubou da maneira mais desenfreada e imparcial os dois quadros. Ao soar o apito final,os 22 jogadores partiram para cima do ladrão. Mas o gângster já se antecipara, já estava pulando muros e galinheiros. Era uma figurinha elástica, acrobática e alada. Isto foi em 1917. O juiz gatuno está correndo até hoje."

O Juiz Ladrão, texto de Nelson Rodrigues

Mil frases do futebol 211 a 220

211. Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos. (Nelson Rodrigues)
212. Futebol é muito simples: quem tem a bola ataca; quem não tem defende.(Neném Prancha)
213. O futebol não é uma questão de vida ou de morte. É muito mais importante que isso. (Bill Shankly)
214. O que finalmente eu mais sei sobre a moral e as obrigações do homem devo ao futebol. (Albert Camus)
215. Na Europa o futebol é entretenimento entre classes, no Brasil é o analgésico do povo. (Thomé)
216. Bola de futebol...é um utensílio semivivo, / de reações próprias como bicho, / e que, como bicho, é mister / (mais que bicho, como mulher) / usar com malícia e atenção / dando aos pés astúcias de mãos. (João Cabral de Mello Neto)
217. Pelé nunca será superado, porque é impossível haver algo melhor que a perfeição. Ele teve tudo: físico, habilidade, controle de bola, velocidade, poder, espírito, inteligência, instinto, sagacidade. (Jornalista do Sunday Mirror de Londres)
218. Se eu pudesse me chamaria Edson Arantes do Nascimento Bola. Seria a única maneira de agradecer o que ela fez por mim. (Pelé)
219. Futebol moderno é que nem pelada. Todo o mundo corre e ninguém sabe para onde. (Neném Prancha)
220. Nunca pense que está sozinho quando você vive futebol, respira futebol.Isso significa que você faz parte dessa paixão mundial pela bola porque futebol além de um esporte é um ideal de vida. (Vinícius)

Fonte: Pensador.INFO

Coleção clássicos imprevisíveis


Toledo 1 x 1 Marcílio Dias


Local: Estádio 14 de dezembro, em Toldo-PR
Cartões amarelos: Alex, Michel Nunes e Badé (Marcílio Dias); Lacerda e Ray (Toledo)
Gols: Lúcio Flávio, aos 14'/1T (Marcílio Dias) e Ray, aos 26'/2T (Toledo)

Toledo
Carlão; Alessandro Lopes, Lacerda (Ferrin) e Robson; Gean, Carlinhos (Henrique), Godói, Gil (Alan Dias) e Rogerinho; Ray e Wagner.
Técnico: Leandro Campos.

Marcílio Dias
Márcio, Michel Nunes, Téio e Alex; Arlan, Brenno (Benson), Claudemir, Cristiano (Leomir) e Badé; Felipe Oliveira e Maurício (Lúcio Flávio).
Técnico: Sergio Ramirez.

O desdobramento do caso Rafinha

Dias atrás falei da lambança do Rafinha, do Toledo. Após um natural jogo de compadres, ele abriu a boca. O que me surpreendeu foi a decisão do STJD. Anular ambas as partidas e banir (isso mesmo, banir) o rapaz do futebol. Como se dar uma entrevista contando uma armação significasse ser o autor da armação. A não ser que o STJD tenha punido o jogador apenas por boca-abertice*.

Eu torço muito, muito mesmo, para o bem do Folclore da Bola e pra ferrar o STJD, que a nova partida termine num empate melancólico, um jogo ruim, de doer. E que o Engenheiro Beltrão leve mais um chocolate do Inter de Santa Maria. E que ao final todos saiam bem quietos.

Detalhe: o Engenheiro Beltrão é que se deu bem. Perdeu o jogo decisivo e vai ter outra chance, sem fazer nada para merecê-la.

Na falta de uma foto do Engenheiro Beltrão, vai uma da Andrea Beltrão

* Ação de um boca-aberta, tanso, mazanza

Denilson, o figura

Denilson dá show de espírito esportivo mesmo sabendo que está sendo zoado. Detalhe: sua pontuação ficou na frente de diversos artistas como Nando Reis, por exemplo.

Tulio, o homem-açaí

Atacantes em crise com as redes, atenção! Túlio Maravilha, o maior artilheiro do Campeonato Brasileiro na soma das três divisões, decidiu revelar sua fórmula mágica para dar calafrios nos defensores mesmo com 39 anos. Apesar da junção curiosa e até engraçada, o centroavante vem comprovando que a mistura de açaí com sexo durante boa parte da semana vem surtindo efeito. E muito.

- O segredo para jogar por muitos anos é ter uma vida sexual ativa. Faço umas seis vezes por semana, claro, com a minha mulher (Cristiane), que isso fique bem claro. O açaí também me ajuda muito, consumo umas duas vezes por semana porque dá muita energia. O guaraná é outra coisa que adoro - conta.

Sempre falastrão, Túlio gaba-se do corpinho de menino cultivado em 20 anos de carreira. Beirando os 40 (completará em 2 de julho de 2009), o centroavante do Vila Nova garante ter os mesmos 72kg e os 9% de gordura de quando iniciou a carreira no arqui-rival do Tigrão, o Goiás, em 1988.

  • Faço (sexo) umas seis vezes por semana. Com a minha mulher (Cristiane), que isso fique bem claro"

Túlio, aliás, prega o caminho contrário para a carreira em comparação com as últimas gerações de jogadores do futebol nacional, tão marcadas pelo envolvimento em festas e polêmicas fora dos gramados. Mais do que isso, incrementa a “dieta” perfeita para se manter em alta no fim de carreira.

- Eu bebo só em ocasiões especiais, não fumo, durmo cedo, acordo cedo e tenho uma comida balanceada. Como muita salada, carboidrato, carne branca e vermelha. Os jogadores de agora estão abusando um pouco, mas cada um sabe o que faz - acrescenta.

O centroavante tem a chance de fechar o ano ainda mais em alta. Além de ser o atual artilheiro da Série B, com 15, Túlio é vice-líder do Prêmio Friedenreich, que vai laurear o maior goleador do país. Até agora, foram 29 do Maravilha, empatado com Alex Mineiro, do Palmeiras. Kleber Pereira, do Santos, tem 30.

Mesmo projetando chegar ao milésimo gol em 2010 (atualmente tem 851), o atacante garante que não pensa em se aposentar tão cedo. Mais um obstáculo que será superado com a ajuda do prato preferido dele.

- Adoro comer arroz, feijão e bife acebolado. Isso vai me ajudar bastante para chegar ao gol mil. Tenho muito tempo para jogar. Só depois vou pensar em parar - completa.

Globo Esporte

Superação

Eu achava que idolatrar o Fernando Vanucci ainda mais era algo impossível. Ledo engano. Hoje, no programa Bola na Rede, ele mostrou que é o cara. Numa mesa com Josimar, Alemão, Ronaldo (o goleiro fanfarrão) e outros, ele fez sua previsão sobre quem leva o primeiro turno na série B, contrária a de todos os demais:

_ Eu acho que vai dar Avaí!!

É hora de reverenciar os craques: Marquinhos, Evando, Válber!! ÊÊE Avaê!!

Atos Falhos



Sabe aquela hora que a gente tá com uma coisa na cabeça e esquece que tá em público?

Colaborou o leitor Vitor Jr.

ADENDO: NÃO POSSO DEIXAR DE LEMBRAR DO DESLIZE DO WILLIAN WAACK NO JORNAL DA GLOBO.

Seleção Carioca de Veteranos

Pra quem curtia o futebol carioca dos anos 90, em especial os Flamenguistas, taí um time pra torcer na série B: o Brasiliense. Sintam o plantel: Athirson, Junior Baiano, Iranildo, Dimba, Alex Dias e Fabio Baiano. O Brasiliense atualmente luta contra o rebaixamento...

Foto a partir do Blog Elite Azul e Branca

Rateada

Tinha esquecido dessa: voltando da Ressacada no último sábado, na tradicional fila do trânsito, ouvi um jogador do CRB reclamar da arbitragem pro repórter. Foi mais ou menos assim:
_ O cara não respeitou a gente, disse que a gente veio aqui pra passear. A gente trabalha sério! E ainda me ofendeu.
_ O que ele disse?
_ Fica até chato eu dizer aqui no microfone...
_ Tá, mas com outras palavras.. o que ele disse?
_ Disse que eu não era homem! E aí o árbitro pode falar o que quiser, a gente não!
QUERO VER ELE LÁ FORA FICAR NU NA MINHA FRENTE PRA VER SE EU NÃO SOU HOMEM!

Teria o árbitro acertado na sua previsão?

Detalhe: no aeroporto, um dirigente do CRB deu uns sopapos do árbitro, mas nada de nudez registrada, ainda bem.

Se pelo menos fosse a Ana Paula apitando, tudo bem...

Gandula pró-ativo

Não tem essa de ficar só fazendo cera e escondendo as bolas. Gandula que se preza tem que entrar em campo! Detalhe, a Taça em questão foi vencida pelo Avaí (primeiro torneio que acompanhei de verdade) e o goleiro do Marcílio já era o Mauro (personagem folclórico do futebol catarinense). O fato ocorreu há exatos 26 anos.

Coleção Grandes Pegadores vol.38: Carlitos Tevez

Gosto não se discute. E o nosso Tevez tá aí, agora catou a playmate argentina Vanesa Carbone. Sem dúvida um caso de química, onde a modelo nem está aí para a fama (ou grana) do jogador, pois o admira como pessoa (ou na "vida ser humana", como dizia o Nunes).

Tevez e Vanesa: um casal que combina